Monólogo

Pintura: Sr. do Vale
0,72m x 0,54m
,
,
Falo pra mim mesmo às escuras
O que não consigo pronunciar.

Uma voz calada rompe o silêncio
É o pensamento em redemoinhos de desencontros tateando a noite

Tudo não passa de um sarau solitário

Sem verso
Sem rima
Sem rumo

IOANES NULLIUS

5 comentários:

Lara Amaral disse...

Apesar da dor, poema e tela são belíssimos.

Vi vc pelos olhos do pássaro, estranha sensação me deu. Espero que esteja bem. Beijo.

Beto Brandão disse...

Muito linda a postagem; poesia e pintura.

Ianê Mello disse...

Lindas, pintura e poema.

Grande abrço.

lenor disse...

Porque é que o vulto que nos vira as costas não responde ao passarinho e o deixa a falar sozinho?

Ianê Mello disse...

Vá até o"Labirintos". Tem um poema dedicado à você.

O nome da pintura é, caso queira transcrevê-lo no seu blog.: A Flor de Vênus.

Grande bj