A Eternidade de Um Instante



Pintura: Sr. do Vale
3,00m x 2,00m

Por um instante
todo o tempo
de um ano passa
em minha mente.
Meu lado quieto
luta contra o louco
anjos e demônios
defendem em cada
canto o seu comando.
E no que eu mando
sobra breve vácuo
no qual eu penso
ao rever mais de 300 dias de atos e fatos
qual é o meu espaço
nesta tela de nostalgia,
de lembranças do passado?
Detalhe






Detalhe



Quantas histórias e pensamentos vêm à tona diante desta pintura, retrato de uma loucura que iniciou na juventude de nossa turma...

viagens, festas, arte e amizade:
-vejo os casais no descobrimento do amor,
-vejo os bois e o respeito pela natureza,
-vejo a viola, o violeiro e sua canção,
-vejo o mistério, a dor e emoção,
-me vejo na cachoeira, do outro lado o Guela e você escondido de pedra.
Finalmente vejo o passado que vivemos pintado em harmonia com as beleza das cores roubadas das flores, frutas e o clarão do dia.
Noslen ed azuos
______________________________________________

Num átimo desse instante
Sou levado pela eternidade da luz
Na loucura que perpasso
Levado pela (in)definição dos traços
.
Não são as cores que emolduram meus sentidos
E sim, as formas que elas conduzem
O sangue escorre e desnuda minh'alma
Nas sombras que a definem
______________________________________________
Alma Furtacor
.
Do vale das emoções ele veio
Intensos sentimentos que afloram
de um eu lírico e profundo
Homem da mais pura emoção
Acerta o alvo bem no meio
de um coração desavisado
transmutando em flor o botão
Propagando a beleza no mundo
pinta o belo com suas mãos
e numa aquarela de cores reluzentes
espelha sua alma furtacor
Alma de intenso brilho que seduz
Como um farol a iluminar
transformando a escuridão em luz
e a vida no mais lindo despertar.
Ianê Mello
______________________________________________

Amo esse tempo em que todas as palavras já foram ditas e apenas nos bastar usufluir vivendo. São tempos de brisa leve, de ar novo, de alma se refazendo para seguir em jornada. Amo sobre tudo viver esse tempo porque tudo que foi ja é, e o que há de vir ainda vai ser.
______________________________________________

Eu acho que a imagem dessa mulher cega pelo coágulo de sangue gigante que lhe tapa os olhos e se alimenta dos rasgos que faz no seu peito, essa mulher que deixa a seus pés, para trás de si, um emaranhado de vaginas a contorcerem-se, essa mulher que brada fúrias agarrando-se ciosamente à maçã do pecado negando o prazer ao resto do mundo, essa mulher é uma das suas obras primas, Sr. do Vale.

11 comentários:

Lara Amaral disse...

Por um instante
todo o tempo
de um ano passa
em minha mente.
Meu lado quieto
luta contra o louco
anjos e demônios
defendem em cada
canto o seu comando.
E no que eu mando
sobra breve vácuo
no qual eu penso
ao rever mais de 300
dias de atos e fatos
qual é o meu espaço
nesta tela de nostalgia,
de lembranças do passado?

LARAMARAL

Beijos e bom fim de ano, Sr. do Vale.

Noslen ed azuos disse...

Quantas histórias e pensamentos vêm à tona diante desta pintura, retrato de uma loucura que iniciou na juventude de nossa turma
... viagens, festas, arte e amizade:
-vejo os casais no descobrimento do amor,
-vejo os bois e o respeito pela natureza,
-vejo a viola, o violeiro e sua canção,
-vejo o mistério, a dor e emoção,
-me vejo na cachoeira, do outro lado o Guela e você escondido de pedra.
Finalmente vejo o passado que vivemos pintado em harmonia com as beleza das cores roubadas das flores, frutas e o clarão do dia.

ns

M.PAUMARCH disse...

Una pintura realment complexa i treballada. El caos del món, tal vegada la lluita per la supervivència... potser el caos de la ment.

Úrsula Avner disse...

Olá meu caro, tive a oportunidade de ler este belo poema da Lara no blog dela. Somos seguidoras uma da outra. Agradeço sua amável visita e comentário. Seu blog é muito bonito ! Grande abraço e votos de boas festas e um ano novo cheio de realizações.

faustodevil disse...

Num átimo desse instante
Sou levado pela eternidade da luz
Na loucura que perpasso
Levado pela (in)definição dos traços
Não são as cores que emolduram meus sentidos
E sim, as formas que elas conduzem
O sangue escorre e desnuda minh'alma
Nas sombras que a definem

tossan® disse...

Que tua alma seja o cais que nele ancore toda a emoção e criatividade nesse Ano que se inicia! Boas Festas!
Trabalho incrível mais uma vez. Abraço

Ianê Mello disse...

Belíssimo blog.

Lindas suas pinturas e muito bem acompanhadas de belos poemas.

Beijos.

Dead or Alive disse...

Fica na Paz, Sir, que seja sempre feliz é uma coisa que desejo independente de datas sejam elas quais forem, já disse,gosto de vc por gostar, sem vc precisar fazer mais nada. Obrigado por sua amizade, me faz bem.
Enjoy!!!!!!!!!!

Ianê Mello disse...

Sr do Vale

Inspirada pela beleza de suas pinturas fiz um poema que postei em meu blog, intitulado Alma Furtacor.

Do vale das emoções ele veio
Intensos sentimentos que afloram
de um eu lírico e profundo
Homem da mais pura emoção
Acerta o alvo bem no meio
de um coração desavisado
transmutando em flor o botão
Propagando a beleza no mundo
pinta o belo com suas mãos
e numa aquarela de cores reluzentes
espelha sua alma furtacor
Alma de intenso brilho que seduz
Como um farol a iluminar
transformando a escuridão em luz
e a vida no mais lindo despertar.


Pase por lá e veja. Tomei a liberdade de colocar uma pintura sua.

Espero que goste da homenagem.

Beijos e obrigada pela visita e pelas palavras.

Reflexo d Alma disse...

Amo esse tempo em que todas as palavras já foram ditas e apenas nos bastar usufluir vivendo. São tempos de brisa leva, de ar novo, de alma se refazendo para seguir em jornada. Amo sobre tudo viver esse tempo porque tudo que foi ja é, e o que há de vir ainda vai ser. Bom demais estar passando por aqui nesse tempo de boas novas e de paz. Bjins entre sonhos e delírios

lenor disse...

Eu acho que a imagem dessa mulher cega pelo coágulo de sangue gigante que lhe tapa os olhos e se alimenta dos rasgos que faz no seu peito, essa mulher que deixa a seus pés, para trás de si, um emaranhado de vaginas a contorcerem-se, essa mulher que brada fúrias agarrando-se ciosamente à maçã do pecado negando o prazer ao resto do mundo, essa mulher é uma das suas obras primas, Sr. do Vale.