O Martírio


Pintura: Sr. do Vale
Linhas transglaucomórficas arrebatam-me em esplendor,
tirando-me do ensimesmamento lúgubre que ora me encontro,
apesar do tema tão controverso de sua assaz fulgurante e magnificente obra artística,
senti-me um cúmplice de Sebastiões, Franciscos e Joanas, que com suas próprias e santificadas vidas pagaram pelos insensatos e ignóbeis pecados de tantas almas perdidas e torturadas...


Carmello Café
















13 comentários:

Noslen ed azuos disse...

Maravilhoso!!!

Sr. do Vale, suas obras estão transbordando, sinto-me muito privilegiado por acompanhar sua arte de uma forma momentânea, digo no mesmo tempo que ela se manifesta, festa,festa....sonhos realísticos.

Abração
ns

Selena Sartorelo disse...

Está em um momento pleno de sua criação e quem sabe de seu existir.
E pelo que observei esse momento dura há muito tempo.

abraços

BIA disse...

Martírio...esperança, desesperante...

Continuo a apreciar com a devida humildade de que m tão pouco conhece!

Abraço com a "bença" concedida!

BIA

Tomáz disse...

Seus desenhos pedem observações acuradas, traduzem emoções e sentimentos que estão presentes em muitos de nós. Parabéns pela obra.

beto melodia disse...

olá, sr do vale.

creio termos que criar novos adjetivos, para qualificar suas pinturas...
pensando bem, creio já ter dito que, suas criações simplesmente são...
...sr do vale...

sim, essa é a classificação e não precisam de adjetivos, pois é um.

que você, arte, permaneça por muito tempo entre nós. a nos brindar com suas telas digitais.

abraços, amigo.

Eu, sem clone disse...

Você respira arte, criatividade.
Mas, por que martírio? algo espontâneo como a minha bruxinha que se chocou com o duende? Afinal, criação é criação. Inspiração não tem explicação e, por que deveria ter se o próprio nome já diz tudo: inspiração!
abraços

Carmello Café disse...

Amigo Do Vale, tuas linhas transglaucomórficas arrebatam-me em esplendor, tirando-me do ensimesmamento lúgubre que ora me encontro, apesar do tema tão controverso de sua assaz fulgurante e magnificente obra artística, senti-me um cúmplice de Sebastiões, Franciscos e Joanas, que com suas próprias e santificadas vidas pagaram pelos insensatos e ignóbeis pecados de tantas almas perdidas e torturadas...
Cara, posso continuar nesse clima indefinidamente, de acordo com o que conversamos lá na Zona - viagem pura e total! (rsrs)
Na verdade, sendo bem reto, direto, profundo e progressivo: Du carái, véi! (rsrsrsrsrs)
Acho que essa também merecia uma daquelas edições de detalhes que você costuma fazer.
Abração, amigo.
Te espero lá na Zona.

Selena Sartorelo disse...

A minha maneira...
Em cada partícula muitas outras são vistas...em incessante movimentos de cores e traços.
Seres inimagináveis porém tão inteligíveis.

beto melodia disse...

meu amigo do vale:

perfeição...

abraços e um bom fim de semana...

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Impressionante o que acabei de ver, Sr. do Vale! Sempre venho aqui e por que nunca vai ao meu Blog? Fiz-lhe algo? Acha-o muito grande? Pois agora, vc pode ir tranqüilamente ao meu Blog para apreciar o meu novo post, porque só há a crítica de um filme e alguns poemas, devido à joça desse computador. Conto com você.
Um abraço,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com

biazinha disse...

Seu post está ótimo! As imagens fantásticas!
A resposta a sua pergunta é sim.

Beijinho.

M.PAUMARCH disse...

Turment? Sofriment? Alguna cosa et preocupava molt, Joao?
Aquesta és una obra del 2008?

Bé, sigui com sigui, parabéns. Segueix treballant, amic. El món necessita més imaginació i menys diners.

Um abraço.

Salvador.

Valéria Sorohan disse...

A imagem do homem sendo sacrificado, é impressionante.
E porque será que o martírio aqui, esta sendo representado em verde?!

BeijooO*