Joanim

Volte pra casa já
Não é hora de você ficar por ai
Vê se esquece de esquecer
Não vá embora
Sem antes dormir sossegado
Esqueça as coisas dos homens
As coisas ruins
Pense nas coisas boas
Pra poder ir a outro lugar
Mais tranquilo
Descobrir coisas novas
Numa casa sem paredes, sem teto
Feita de flores vivas
Plantadas no chão
Ao lado do riacho e da cachoeira
Pai
Volte já pra casa
Se não vamos ficar preocupados
Pensando por onde andarás
E a mãe não vai gostar nada dessa história
Sabe como a mãe é
Pai se você voltar logo
Eu te dou uma garrafa de pinga rara
Para você por na sua coleção
Que é a coleção
Mais embriagante que já vi.

5 comentários:

Sr do Vale disse...

Dava pra sentir que meu pai, nesses dias, em que estava hospitalizado, não voltaria mais para casa, mesmo assim, escrevi esta quase oração, fazendo um pedido ao silêncio.

Noslen ed azuos disse...

Legal vc dispor estas palavras que tem cheiro tem cor e saudades também...

Senhora Loirinha Má disse...

Volte pra casa nada, Joanin.
Leva meu retrato contigo e ganhe o mundo.

Su disse...

Olha, eu sei bem onde te encontrei... não vai agora tu esquecer! pq tenho que te dizer, quem escreve assim é poeta da cabeça aos pés... e eu, eu gosto de peota! vai dai, volto.

Bj

Ps: Eu, nao tive tempo para me despedir do meu pai...

Samanta disse...

Eh, joanim...
Uma das pessoas mais inteligentes que eu conheci...
Fica com DEUS