Ruptura

Desenho: Sr. do Vale


Na nebulosa longínqua,
Desliza na escuridão do vazio,
Cheio de mundos e ruídos de estômago.

Na mão estendida um feto,
Não nasce do ovo,
Continua com casca.
Enquanto não tens bico,

Quebrar, romper a barreira do som,
Lâmina de platina,
Decepa o ar.

Na cidade,
Vai, vem, vai, vem,
No balanço do trem,
A canção de ninar.

Pra bem longe sonhar, colorido.
IOANES NULLIUS

E quando brilhar no céu,
A luz da estrela, raio laser.
As bocas se abrirão,
Liberando aves.

3 comentários:

Jack, o coelho disse...

Gostei do blog, altos surrealismos, muito bom!

Anônimo disse...

Parabéns Sr JB, é muito importante ver sua arte espalhada pelo mundo...esperando o momento de estar em outras cabeças, outras culturas..."das gavetas as cabeças" : este é o resultado grandioso das conexões ditas virtuais...'observer' é o que me retrata suas passagens artisticas...Nelsons.

Janis disse...

Olá, Sr do Vale!

Muito bacana o seu 'cantinho'! Há alguns anos atrás eu costumava ter um blog onde eu compartilhava meus textos, pensamentos e tudo mais, mas, por causa da falta de tempo, meus textos estão engavetados...
Parabéns pelo blog, desejo uma longa vida, e, claro, continue fazendo arte.
Acredito que a síntese da vida está justamente aí, na arte! :)