Arquétipo do Tempo


Pintura: Sr. do Vale
1,15m x 0,86m


O espaço que me fascina.
Sou vácuo ou aglomerado?
Uma bolsa em expansão.
Uma bolha de sabão.
________________________________________

No relógio marca o Desejo.
Empina-me em mágicas nos seios, nas nádegas.
Convite ao templo licor de limão.
Estendo minha mão
calo a fome com pedaço de ilusão.
Noslen ed azuos
________________________________________

O "tempo" é um senhor temperamental
que nos surpreende com seus matizes ondulantes...
o tempo é um revelador de cores,...
________________________________________
(Arquétipo,
significa a forma imaterial
à qual os fenômenos psíquicos
tendem a se moldar.)
(Fonte: Wikipédia)

12 comentários:

Assis de Mello disse...

O Vale está demais !! Uma pintura melhor que a outra. Tenho andado meio distante da net, fazia tempo que não passava por aqui.
Muito bom seu comentário na enquete !!! kkk
Abração do Chico

entremares disse...

Cheguei aqui pelo seu interesse ( e meu também ) pela imagem e pela ilustração.

Se me quiser dar a sua opinião sobre o blog ENTREARTES, precisamente sobre o meu gosto pela ilustração... será sempre bem-vindo..
Um abraço.
Rolando

www.entreartes.blogspot.com

Hercília Fernandes disse...

Estou apreciando bastante o seu trabalho. Passarei a acompanhá-lo.

Parabéns por sua fortuna criativa!

Abraços,
H.F.

Selena Sartorelo disse...

Olá Sr. do Vale,

O espaço que me fascina.
Sou vácuo ou aglomerado?
Uma bolsa em expansão.
Uma bolha de sabão.

beijos

Noslen ed azuos disse...

No relógio marca o Desejo.
Empina-me em mágicas
nos seios,
nas nádegas.
Convite ao templo licor de limão.
Estendo minha mão
calo a fome
com pedaço de ilusão.

Reflexo d Alma disse...

Puxa...
lindo seu espaço.
Encantada sigo unindo palavra
e imagem.
No meu blog tem palavras
que produzem na mente imagens.
Passa lá qualquer hora vou adorar.
Bjins entre sonhos e delírios

Genny Xavier disse...

Caríssimo,
O "tempo" é um senhor temperamental que nos surpreende com seus matizes ondulantes...o tempo é um revelador de cores, como é sua pintura...Sigo gostando delas, mil parabéns!
Gostei dos trocadilhos de palavras que fez do meu poema...as "re-leituras" me agradam e me emocionam...continue achando um "tempo" para visitar-me no "Baú".
Beijo.
Genny

Lara Amaral disse...

Poemas e imagem encaixados. Aqui tudo parece sonho.

Beijos.

Ianê Mello disse...

Agradeço sua visita ao meu espaço e retribuo.

Lindas suas pinturas e os poemas escolhidos para acompanhá-las, em perfeita sintonia.

Parabéns!

Um abraço.

Beto Brandão disse...

O PADRE, A MOÇA

7.

Quando lhe falta o demônio
e Deus não o socorre;
quando o homem é apenas homem
por si mesmo limitado,
em si mesmo refletido;
e flutua
vazio de julgamento
no espaço sem raízes;
e perde o eco
de seu passado,
a companhia de seu presente,
a semente de seu futuro;
quando está propriamente nu;
e o jogo, feito
até a última cartada da última jogada.
Quando. Quando.
Quando.


Carlos Drummond de Andade - Lição de Coisas - Ato

Ianê Mello disse...

Matizes do Tempo


O tempo e seus matizes
em suas mais variadas cores
Por vezes verde-esperança
sereno como uma criança
Por outras vermelho-fogo
queimando nossas lembranças
Corremos contra esse tempo
e não temos tempo pra nada
Somos dele prisioneiros
numa gaiola fechada
que da chave nos esquecemos
e terminamos por jogar fora
Perdemos a noção do tempo
que a vida em nós se demora
E a criança que ainda habita em nós
pergunta inocente "e agora?"
Jogamos o tempo fora
com coisas de menor importância
e esquecemos de vivê-lo na pureza
de um tempo em que fomos criança


Obrigada, por mais essa inspiração.

Um abraço.

Ianê Mello disse...

Tem uma poesia minha postada no blog junto à sua pintura. Já a viu?

Beijos.