Nuances Azul

Pintura: Sr. do Vale
0,72m x 0,55m


Sou a matéria
errante
sou o mar
em bolero
sou ego
sou pintura
____________________________________________


Mergulho no misturar
Meus olhos lambem
feito pincel e balas de chupar...
Mudo,
procuro no escuro
a resposta do vermelho
que o azul
veio perguntar:
-Não sei onde
me encontrar!?
____________________________________________
Eu digo por mim:
me arrisco, sim
nado no ar
azul de mar
e vermelho carmim
pra variar
eu tinjo o ar
de azul céu
me perdendo, assim
jogado ao léu
em nuvens sem fim
de formas de jogo
e som de theremim
vermelho quente de fogo
azul frio de cetim
como renda feita de ar
que modela teu corpo enfim
mergulho em busca de ar
busco-te dentro de mim
azul e vermelho em par
tudo é parte de mim
é o que vale arriscar
então, me arrisco, e fim.
____________________________________________



Que saltam aos olhos!
Estranhas...
figuras vermelhas.
São homens!
São seres!
Explodem!
Quase...
Quase dão prá tocar
Incomodam o sentir.
É denso!...
é forte
Fere o toque...
O vermelho é o grito do existir.
Movimentos constantes
sem ordem,
sem direção.
.
Numa imensidão
que insinua e instiga...
O azul,
Que é...a pura razão.
____________________________________________

8 comentários:

®tossan disse...

Bela Arte!

sou a matéria
errante
sou o mar
em bolero
sou ego
sou pintura
*tossan*

Abraço

lenor disse...

Se o céu e o inferno voltarem a estar na moda como na Idade Média, temos neste quadro inspiração e escola para os frescos das paredes e tectos.
:)

Noslen ed azuos disse...

Mergulho no misturar

Meus olhos lambem
feito pincel e
balas de chupar...

Mudo,
procuro no escuro
a resposta do vermelho
que o azul
veio perguntar:

-Não sei onde
me encontrar!?

Marcello 'Maddy Lee' L. disse...

Faaaaaaaaaaaaaaaaala, Valleyman!
Essa aí me inspirou.
Aí vai a contribuição:

Eu digo por mim:
me arrisco, sim
nado no ar
azul de mar
e vermelho carmim
pra variar
eu tinjo o ar
de azul céu
me perdendo, assim
jogado ao léu
em nuvens sem fim
de formas de jogo
e som de theremim
vermelho quente de fogo
azul frio de cetim
como renda feita de ar
que modela teu corpo enfim
mergulho em busca de ar
busco-te dentro de mim
azul e vermelho em par
tudo é parte de mim
é o que vale arriscar
então, me arrisco, e fim.

Abração.
Valeu!
ML

Selena Sartorelo disse...

Que saltam aos olhos!
Estranhas... figuras vermelhas.
São homens!
São seres!
Explodem!
Quase...
Quase dão prá tocar
Incomodam o sentir.
É denso!...
é forte
Fere o toque...
O vermelho é o grito do existir.
Movimentos constantes
sem ordem, sem direção.

Numa imensidão
que insinua e instiga...
O azul,
Que é...
a pura razão.


Abraços querido amigo, e obrigada pelas belas palavras que o banner lhe inspirou.

mas apenas frio é o azul.

Dona Sra. Urtigão disse...

UAAUU!
bonitdemaisss!

Palhastro disse...

Irmão, fiz uma homenagem ao seu blog: http://euamoatirardecarabina.blogspot.com/2009/01/olha-que-blog-maneiro.html

Artista Maldito disse...

Olá Sr. do Vale

E os fogareiros se acendem no infinito azul, mar e céu a tocarem-se em nuances de paixão.

Um abraço desde este Portugal em Inverno envolto,
Isabel